Ética Ambiental para o Desenvolvimento Sustentável


Ética Ambiental é por definição o “estudo da conduta comportamental do ser humano em relação à natureza, decorrente da conscientização ambiental e consequente compromisso personalíssimo preservacionista, tendo como objetivo a conservação da vida global”. Esta concepção está relacionada à modificação das condições físicas, químicas e biológicas do meio ambiente, ocasionada pela intervenção de atividades comunitárias industriais, que pode colocar em risco todas as formas de vida do planeta.

Segundo a Constituição Federal, todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, um bem de uso comum do povo e fundamental à boa qualidade de vida. Cabe ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e o preservar para esta e para as próximas gerações. O maior desafio da ética ambiental está no compromisso particular a ser firmado e honrado por cada indivíduo, consciente de que é ético e não legal, pois não se trata de uma lei regulamentada, mas sim de um princípio moral.

Desde sempre para a sobrevivência da humanidade foi necessário que houvesse exploração da natureza e de seus recursos com finalidade de suprir as necessidades como, por exemplo, a caça para a alimentação. Porém, o que antes era feito para suprir as necessidades tornou-se luxo, “status”, e trouxe como consequência o aumento demasiado do consumo, principalmente com o aumento populacional.

Diante disso houve uma mudança da relação do homem com a natureza (principalmente devido à sua “vocação” técnico-científica). Antes pensava-se na natureza no modo em que tentava-se explorá-la somente o necessário, depois a relação passou a ser antropocêntrica, onde dizia-se que todos os recursos eram inesgotáveis e que o homem era sábio o suficiente para fazer dela assim o que achasse conveniente, uma atitude egoísta sem pensar nas consequências e nem nas responsabilidades para com as gerações futuras.

O desenvolvimento sustentável, juntamente com uma nova ética, a ética ambiental, tornam-se fundamentais, pois é necessária a mudança de nossos hábitos a favor da existência das futuras gerações e também de uma preservação ambiental. Para que isso aconteça, precisamos mudar nossos hábitos para atitudes simples, mas que irão contribuir para um meio ambiente melhor como, por exemplo, não jogar os lixos nas ruas (ocorrerá assim a diminuição das enchentes), fazer reciclagem dos lixos nas nossas próprias residências e buscarmos mais informações sobre o assunto para que assim possamos nos aprofundar mais e passar todo o conhecimento que adquirimos adiante, com finalidade de informar o próximo e a troca de experiência com objetivo de melhoria nas nossas atitudes que beneficiarão não só a população atual como as futuras. Temos que deixar a individualidade de lado e pensarmos mais coletivamente.

Quais são as principais causas da degradação do meio ambiente

A deterioração progressiva do meio ambiente é, sobretudo, consequência de atitudes negligentes do ser humano contra a natureza, são elas as queimadas, o desmatamento, o tráfico e o comércio ilegal de animais, a poluição veicular e industrial e a guerra. Somam-se a estes fatores os próprios desastres naturais.

O que se pode fazer para ajudar a criar um ambiente sustentável

- Respeitar e cumprir a legislação ambiental vigente, assumindo o compromisso de atingir, senão superar, os padrões atuais estabelecidos.
- Criar um Sistema de Gerenciamento Ambiental estruturado para avaliar e controlar as atividades que causam impactos considerados significativos, estabelecer objetivos e metas, executar auditorias internas, efetuar análises críticas e revisões periódicas, visando à prevenção da poluição e à melhoria contínua.
- Alcançar os objetivos do trabalho com o uso racional dos recursos naturais, isto é, mínimo de consumo de matérias-primas e energia e a mínima produção de resíduos ou quaisquer outros detritos.
- Minimizar a geração e emissão de efluentes gasosos, líquidos e sólidos.
- Implementar procedimentos de controle e de programas de destinação, tratamento e reciclagem de resíduos.
- Promover a reciclagem e a reutilização de produtos e materiais.
- Evitar o desmatamento. Reflorestar.
- Desenvolver, promover e apoiar programas de consciência e educação ambiental junto a clientes, fornecedores, funcionários e comunidade.

Então, para finalizar, deixo uma frase para reflexão:

“Quando a última árvore tiver caído, quando o último rio tiver secado, quando o último peixe for pescado, vocês vão entender que dinheiro não se come”.



Fonte: Márcia Thaís Oliveira Machado e www.valiancygroup.com

Comentários

Postagens mais visitadas