Energia Hidrelétrica – Vantagens e desvantagens


A energia hidrelétrica é o resultado do aproveitamento do curso dos rios e seus desníveis, usando a força da água (energia potencial) para movimentar turbinas que geram energia mecânica, e é transmitida, por fios, à população em forma de energia elétrica.

O Brasil tem hoje, nas hidrelétricas, sua principal fonte de energia, quase 95% da energia consumida no país é gerada por esse tipo de usina, o restante é proveniente de usinas nucleares e termelétricas. Com seus grandes rios, o país possui o terceiro maior potencial hidráulico do planeta, ficando atrás somente de países como China e Rússia.

As usinas hidrelétricas no Brasil podem ser classificadas quanto à sua potência para geração de energia, em dois tipos: As que produzem de 1 MW (Megawatt) a 30 MW e possuem reservatório com área menor que 3 km² são classificadas como Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH’s). Aquelas que produzem mais que 30 MW são classificadas como Grandes Centrais Hidrelétricas (GCH’s).

Vantagens das hidrelétricas

Apesar do alto custo para a instalação de uma usina hidrelétrica, o preço do seu combustível (a água) é zero. É uma fonte de energia renovável e não emite poluentes, contribuindo assim na luta contra o aquecimento global. E para um país como o Brasil, cortado por imensos rios, torna-se uma fonte de energia vantajosa e altamente sustentável.

Desvantagens

Apesar de ser uma fonte renovável e não emitir poluentes, as hidrelétricas causam grande impacto ambiental e social. Para a instalação desse tipo de usina e construção de barragens, que refreiam o curso dos rios, é necessário o alagamento de grandes áreas. Essa prática acaba acarretando problemas à fauna e flora local, como:

•a destruição da vegetação natural,

•assoreamento do leito dos rios,

•desmoronamento de barreiras,

•extinção de certas espécies de peixes e torna o ambiente propício a transmissão de doenças como malária e esquistossomose.

Os impactos sociais também são visíveis com o deslocamento das populações ribeirinhas e indígenas, algumas que viviam na região há muitos anos, e são obrigadas a mudar-se por causa do alagamento para a construção dos lagos artificiais. E por serem geralmente construídas distante dos centros de consumo, o processo de transmissão de energia, que dá-se por fios, acaba tornando-se mais caro.

Quando o nível pluviométrico torna-se menor que o esperado, as hidrelétricas ficam com níveis de água abaixo do requisitado para a produção de energia normal e a geração de energia é transferida para outros tipos de usinas como as termelétricas e nucleares, encarecendo a conta do consumidor.

E apesar de ser uma fonte limpa de energia, apenas 18% da energia mundial é produzida pelas hidrelétricas, pois a maioria dos países não possuem as condições naturais necessárias para a construção dessas usinas.

A energia hidráulica no Brasil

Atualmente, cerca de 75% da energia elétrica produzida no Brasil tem como fonte as usinas hidrelétricas. Rico em rios com excelentes potenciais hidrelétricos, o Brasil possui usinas em todas as regiões e continua investindo nesta fonte de energia.

Principais usinas hidrelétricas brasileiras

- Usina Binacional de Itaipu (parceria com o Paraguai) – localizada no rio Paraná tem capacidade 7.000 MW (parte brasileira)

- Usina de Tucuruí – localizada no rio Tocantins tem capacidade de 8.360 MW.

- Usina de Ilha Solteira - localizada no rio Paraná tem capacidade de 3.450 MW.

- Usina de Xingó - localizada no rio São Francisco tem capacidade de 3.160 MW.

- Usina de Paulo Afonso – localizada no rio São Francisco tem capacidade de 3.980 MW.

- Usina de Jirau – localizada no rio Madeira tem capacidade de 3.750 MW.

Curiosidade 1

A Inglaterra é a pioneira na produção de energia hidráulica no mundo. Foi neste país que as primeiras usinas hidrelétricas foram construídas na década de 1880.

Curiosidade 2

Usinas de fio d'água e Pequenas Centrais Hidrelétricas - Quando se fala em hidrelétrica, logo se pensa em usina de reservatório, com um grande lago artificial. Porém, graças à mudança na legislação ambiental, as novas hidrelétricas brasileiras são conhecidas como usinas de fio d'água. Elas criam um lago artificial muito menor que as usinas tradicionais, causando um impacto menor.

Apesar da vantagem ambiental, as usinas de fio d'água não são viáveis do ponto de vista da segurança energética. O reservatório criado por elas é apenas suficiente para que funcionem, porém, em períodos de seca prolongada, pode faltar água para que elas gerem eletricidade. "O reservatório das usinas tradicionais é o que garante seu funcionamento por um período maior do ano" explica. Recurso que as usinas de fio d'água não dispõem.

Outra modalidade que provoca um impacto ambiental menor é a chamada Pequena Central Hidrelétrica. Essas usinas têm reservatórios menores que as usinas de fio d’água, porém são mais caras, em relação à eletricidade produzida. Além disso, o potencial de geração delas é pequeno, o que não soluciona a crescente demanda energética do Brasil. Apesar disso, é um caminho positivo, que deve ser incentivado.

É apontado que a solução é o investimento em diferentes fontes de energia elétrica, uma complementando a outra. Apesar de mais poluentes, até as usinas térmicas podem ser utilizadas para produzir eletricidade, especialmente em épocas de seca. Deve-se fazer um equilíbrio de todas as fontes, hidrelétricas, térmicas e eólicas.



Fonte: www.estudopratico.com.br

Comentários

  1. Muito bom, acho que devemos sempre colocar em discussão estes assuntos que tratam da preservação, obrigado!

    Ambconsult

    ResponderExcluir
  2. Olá adorei o post a e já estou seguindo, se der me segue http://cidadedosolmanoelviana.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito de seu post é bem detalhado!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas