terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Capim Elefante - Napier


Capim-elefante é o nome popular de uma planta, da  família das Poáceas (VIDE), também chamado de erva-de- elefante e capim-napier.
O nome científico do capim-elefante é: Pennisetum Purpureum.
O capim elefante é considerado uma das mais importantes forrageiras tropicais devido ao seu elevado potencial de produção de biomassa, fácil adaptação aos diversos ecossistemas e boa aceitação pelos animais, sendo largamente utilizado na alimentação de rebanhos leiteiros sob as formas de pastejo, feno e silagem. É também a forrageira mais indicada para a formação de capineiras, para corte e fornecimento de forragem verde picada no cocho, pois, além de uma elevada produtividade, apresenta as vantagens de propiciar maior aproveitamento da forragem produzida e redução de perdas no campo.
Existem diversas cultivares de capim elefante sendo utilizadas para corte e fornecimento no cocho, mas tanto a produtividade como a qualidade da forragem estão mais relacionadas com o manejo do que com a cultivar utilizada. Os resultados obtidos em termos de produção de leite são bastante variáveis. Isso é causado, quase sempre, pela utilização de forragem com diferentes idades e que apresentam valores nutritivos variáveis, afetando, conseqüentemente o consumo diário dos animais. A rápida perda de qualidade decorrente do aumento da idade da planta é um fator observado no capim elefante e na maioria das forrageiras tropicais.
Entre as preferidas para corte em propriedades leiteiras pode-se citar a variedades mineiro, napier, taiwan, cameroon e cultivar roxo, com plantas que apresentam diferentes tipos morfológicos. Os produtores têm usado características individuais da planta para orientar a melhor forma de uso das cultivares. O custo de formação, características produtivas e adaptação ambiental das cultivares disponíveis são referências importantes para orientar a escolha. Cultivares com predominância de perfilhos basais são as mais indicadas para uso em capineiras. Poucas são as cultivares para uso específico sob pastejo, constituindo exemplos a pioneiro e a mott.
Considerando o problema de estacionalidade, sugere-se o uso de cultivares de florescimento tardio, cujo fenômeno está relacionado com melhor distribuição da produção de forragem ao longo do ano. As demais são de duplo propósito.  Várias pesquisas em que se utilizou capim elefante sob pastejo, foram desenvolvidas pela Embrapa-Gado de Leite. Foram avaliados os efeitos de períodos de ocupação da pastagem de um, três e cinco dias, sobre a produção de leite, com 30 dias de descanso do pasto. Constatou-se que embora ocorram variações diárias na produção de leite nos três períodos de ocupação num mesmo piquete, isso não afeta a produção média por animal e por área. As produções anuais de leite atingiram 14.568, 14.448 e 14.352 kg/ha para um, três e cinco dias de ocupação, respectivamente.
Com o pastejo de um dia por piquete, a produção de leite é mais uniforme, pois nessas condições a variação na qualidade da forragem disponível é minimizada. Entretanto, essa prática exige um grande número de piquetes. Por outro lado, quando um piquete é utilizado por mais de um dia, a qualidade, a disponibilidade e a ingestão de forragem é maior no primeiro dia e menor no último. Nesse caso, a seletividade animal é exercida, tendo como conseqüência uma maior oscilação na produção de leite. Considerando a economia em cercas, facilidade de manejo e a baixa oscilação da produção de leite por animal, recomenda-se utilizar três dias de pastejo com trinta dias de descanso, em pastagem de capim elefante.
Porque capim elefante?
O capim elefante é uma gramínea de alta produtividade (de 30 a 82 t de massa seca por ha/a) e ciclo curto. A primeira colheita pode ser feita 6 meses após o plantio, possibilitando assim 2 cortes anuais. Por ser uma planta com metabolismo fotossintético C4, assimila mais eficientemente o carbono e assim torna-se uma alternativa atrativa para os projetos de MDL. Por causa da alta produtividade requer áreas menores, baixando o investimento em terras.
Quais são as aplicações do capim elefante?
A gama de aplicações do capim elefante é bastante extensa. Pode ser usado em combustão direta em cerâmicas, pizzarias, padarias, etc, queimado em forma de pellets e/ou briquetes para aquecimento domiciliar, distrital, para geração de energia térmica ou elétrica e para outros usos industriais e agrícolas que requeiram calor, como secagem, entre inúmeros outros.
Serve de matéria prima para carvão e pré carvão vegetal, em pó ou briquetado para siderurgia, metalurgia de ferrosos e não ferrosos. O bagaço também pode ser utilizado na indústria de papel e celulose, painéis automotivos, industriais, para escritórios e residenciais.
Pode ser utilizado em tratamentos de esgoto domiciliar (Sabesp) e futuramente será matéria prima para combustíveis líquidos (etanol de segunda geração via hidrólise enzimática, ácida ou mista).
Dado seu alto teor nutritivo (dependendo do conteúdo de N ou de proteína vegetal), é usado como alimento para gado e outros animais.
Pode ser usado também em biopolímeros, para produção de partes automotivas, como painéis de automóveis, bancos e forros por exemplo.
Em relação a Credito de Carbono
O capim-elefante é uma gramínea perene natural da África introduzida no Brasil por volta de 1920.   A cultura de capim é altamente eficiente na fixação de CO2 (gás carbônico) atmosférico durante o processo de fotossíntese para a produção de biomassa vegetal.
Na biomassa vegetal do capim elefante o teor de carbono é aproximadamente 42%, na base de matéria seca. Assim, uma produção média de biomassa seca de capim elefante de 40 t/ha/ano, acumularia um total de 16,8 toneladas de carbono/ha/ano.  Pode-se estimar que uma empresa com 100 ha de capim elefante seqüestraria o equivalente a 1.680 toneladas de CO2/ano e poderia captar cerca de US$ 4.200,00 a cada ano somente por este como credito de carbono.
Por ser uma espécie de rápido crescimento e de alta produção de biomassa vegetal, o capim apresenta um alto potencial para uso como fonte alternativa de energia. A  produção pode chegar a 45/60 toneladas/hectare/ano, o que  é muito maior do que a floresta de eucalipto, além de possibilitar apenas uma  colheita anual, enquanto o capim elefante possibilita até quatro colheitas  anuais.

            www.carbonovo.com
            www.capimelefante.org

Um comentário:

  1. Olá amigo, passei para desejar Um Feliz Ano Novo. Que 2012 seja Um ano de muitas alegrias, saúde e realizações.Desculpe-me o sumiço, mais fim de ano é uma loucura no trabalho...agora é que terei um pouco mais de tempo, pois estou de férias! Felicidades! Paz e Luz!

    ResponderExcluir